Ana Bolena

Definição

Mark Cartwright
por , traduzido por Joana Ribeiro
publicado em 21 Abril 2020

Texto original em inglês: Anne Boleyn

Anne Boleyn (by Unknown Artist, Public Domain)
Anne Boleyn
by Unknown Artist (Public Domain)

Ana Bolena (c. 1501-1536 EC) foi a segunda esposa de Henrique VIII de Inglaterra (r. 1509-1547 EC). Henrique pôde ter Ana como sua rainha quando o seu primeiro casamento com Catarina de Aragão (1485-1536 EC) foi finalmente anulado após muito alarido em 1533 d.C. Ainda em busca de um herdeiro, o rei voltaria a ficar desapontado quando Ana deu à luz uma filha, Elizabeth, a futura Rainha Elizabeth I de Inglaterra (r. 1558-1603 EC). Ana, por vezes conhecida como "Ana dos Mil Dias" em referência ao seu curto reinado como rainha, foi acusada de adultério e executada na Torre de Londres em maio de 1536 EC. Este último ato brutal de um casamento mal-intencionado deixou Henrique livre para se casar com a sua terceira esposa, Jane Seymour, e continuar a sua busca por um herdeiro masculino.

Catarina de Aragão

Henrique VIII (n. 1491 EC) casou-se com a princesa espanhola Catarina de Aragão em junho de 1509 EC Catarina casou-se com o irmão mais velho de Henrique, Artur, em 1501 EC, mas o príncipe tinha morrido no ano seguinte. O casamento de Henrique parecia feliz nos seus primeiros anos, mas dos seis filhos da rainha, apenas um sobreviveu à infância, uma menina, Maria, nascida em fevereiro de 1516 EC. Henrique, entretanto, teve um filho ilegítimo, Henry Fitzroy, Duque de Richmond (n. 1519 EC), com uma amante, Elizabeth Blount, e assim o rei começou a culpar a sua rainha por não produzir um herdeiro masculino saudável e legítimo. Catarina era seis anos mais velha que Henrique e a diferença de idades começou a notar-se em meados da década de 1520 EC; o rei estava ansioso por uma esposa mais jovem que poderia dar-lhe um filho. Anular o seu casamento, o que o rei chamou de "grande questão", revelar-se-ia, no entanto, difícil e teria consequências de grande alcance.

Remover publicidades

Advertisement

NA SUA JUVENTUDE, ANa VIVIA NA CASA DA FAMÍLIA, NO CASTELO DE HEVER, EM KENT, E FOI ENTÃO EDUCADA NOS PAÍSES BAIXOS E NA FRANÇA.

Por volta de 1526 EC, o olho de Henrique VIII foi apanhado pela bela dama-de-companhia Ana Bolena, irmã mais nova de Maria Bolena, uma das suas antigas conquistas. Ana nasceu em 1501 EC, filha de Sir Thomas Boleyn (futuro Conde de Wiltshire) e Elizabeth Howard, filha de Thomas Howard, Duque de Norfolk. Ela até tinha uma ligação real, pois a sua tia era a filha mais nova de Eduardo IV de Inglaterra (r. 1461-1470 e 1471-1483 EC). Na sua juventude, Ana viveu na casa da família, o Castelo de Hever em Kent, e foi então educada nos Países Baixos e na corte francesa. Anne juntou-se à corte do Rei Henrique em 1522 EC.

De cabelo escuro, magra e sofisticado, Ana, inteligente o suficiente para perceber que estava prestes a tornar-se um peão num jogo de tronos, recusou os presentes em jóias de Henrique e recusou-se a dormir com o rei até se casarem. Para tal, Henrique escreveu uma carta ao Papa Clemente VII (r. 1523-1534 EC) em 1527, sugerindo que a falta de um herdeiro masculino era a punição de Deus por Henrique se casar com a esposa do seu falecido irmão, um ponto apoiado pelo Antigo Testamento (a "Proibição do Levítico", Levítico c. 20 v. 21). Consequentemente, o rei desejou que o Papa anulasse o casamento, pois nunca deveria ter sido permitido em primeiro lugar.

Henry VIII Meets Anne Boleyn
Henry VIII Meets Anne Boleyn
by Daniel Maclise (Public Domain)
Infelizmente para Henrique, o Papa Clemente VII fez questão de manter um bom relacionamento com o governante mais poderoso da Europa na época, Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, Carlos V de Espanha (r. 1519-1556 EC), que era, significativamente, sobrinho de Catarina. Além disso, era pouco provável que Catarina e Artur, sendo tão jovens na época, alguma vez tivessem dormido juntos e, por isso, a "Proibição de Levítico" não se aplicava neste caso. Apesar dos melhores esforços, então, do ministro-chefe de Henrique, cardeal arcebispo de York, Thomas Wolsey (l. c. 1473 - 1530 EC), a "grande questão" estava num impasse. Quando Thomas Cromwell (l. c. 1485-1540 EC) assumiu o caso de Henrique de Wolsey (que ia ser julgado por traição, mas morreu a caminho da corte), a vontade de Henrique foi empurrada para a sua conclusão lógica: a Inglaterra governaria a sua própria Igreja livre das obrigações de Roma. Henrique estava mantendo a sua interpretação da Bíblia, uma autoridade superior do que mesmo a decisão de um Papa.

Remover publicidades

Advertisement

A próxima tática de Henrique foi separar permanentemente Catarina da sua filha Maria e mudá-la sobre o país para várias residências decrépitas, embora isso não abatesse a popularidade da rainha entre o povo. Enquanto isso, Henrique e Ana Bolena viviam juntos (mas não dormiam juntos). Ana recebeu o título de Marquesa de Pembroke com propriedades e rendimentos correspondentes. O rei estava suficientemente confiante na sua posição moral para viajar para França com Ana como sua consorte oficial em outubro de 1532 EC Em dezembro de 1532 EC, Ana, talvez vendo um bebé como a melhor maneira de se livrar da sua rival Catarina, dormiu com o rei e engravidou.

Uma Igreja Dividida

Um novo arcebispo da Cantuária, Thomas Cranmer, que também queria separar a Igreja Inglesa de Roma, anulou formalmente o primeiro casamento de Henrique a 23 de maio de 1533 EC Cranmer também tinha sido capelão do pai de Ana em 1529. Com a aprovação da Lei de Contenção de Recursos pelo Parlamento (redigida por Cromwell), Catarina não recorreu a qualquer recurso. A decisão foi final. A anulação e a aprovação do Ato de Sucessão (30 de abril de 1534 EC) significavam que a filha de Catarina, Maria, foi declarada ilegítima, a lealdade foi jurada à Rainha Ana, e qualquer um dos seus descendentes reconhecido como herdeiros oficiais ao trono. Catarina foi proibida de usar o título de "Rainha de Inglaterra" e teve de usar a "Princesa Viúva". Catarina, efetivamente vivendo em prisão domiciliária, morreu de cancro em janeiro de 1536.

Anne Boleyn by Hans Holbein
Anne Boleyn by Hans Holbein
by Hans Holbein (Public Domain)
Henrique acabou por ser excomungado pelo Papa pelas suas ações e para substituir o Papa como chefe da Igreja Católica de  Inglaterra, Henrique tornou-se chefe da Igreja  de  Inglaterra. Isto foi alcançado pelo Ato de Supremacia de 28 de novembro de 1534 EC e significava que Henrique, e todos os monarcas ingleses subsequentes, só tinham uma autoridade superior: o próprio Deus. A reforma da Igreja Medieval teve os seus apoiantes que viam a instituição como demasiado rica, corrupta e madura para a mudança, mas também os seus opositores - nomeadamente o ex-chanceler Sir Thomas More (1478-1535 EC) que foi executado em 1535 EC e os manifestantes de protesto na chamada Peregrinação da Graça em 1536 EC no norte de Inglaterra.

Remover publicidades

Advertisement

Casamento e Filha

Henrique casou-se com Ana em segredo em 25 de janeiro de 1533 EC, mesmo antes do seu primeiro casamento ter sido oficialmente anulado. A pressão estava realmente em cima desde que uma criança nascida fora do casamento não seria reconhecida por todos como o herdeiro legítimo do rei. Ana, então fortemente grávida, foi coroada Rainha de Inglaterra a 1 de junho de 1533 EC. No entanto, o apoio do público a Catarina ainda era evidente, uma vez que alguns elementos da multidão vaiaram Ana a caminho de Westminster, entoando: "Nan Bullen não será a nossa Rainha!". Ana foi, sem dúvida, imperturbável; ela tinha conseguido o que sempre quis enquanto cavalgava numa carruagem dourada e usava um manto escarlate pesado com pérolas e joias, pronta para cumprir o seu destino.

A 7 DE SETEMBRO DE 1533 EC, ANA DEU À LUZ UMA FILHA, ELIZABETH, A FUTURA RAINHA DE INGLATERRA.

Ana não era de forma alguma um elemento passivo da corte real. Bem educada e crente na reforma da igreja, patrocinou estudiosos e reformistas, apoiou a distribuição das traduções da Bíblia em inglês, e importou e circulou livros evangélicos. Foi através da influência de Ana que figuras reformistas como Hugh Latimer e Nicholas Shaxton foram transformados em bispos. A rainha também ajudou os pobres e foi defensora da reforma social.

A 7 de setembro de 1533 EC, Ana deu à luz uma filha, Elizabeth. Haveria outras gravidezes, mas estes bebés perderam-se, dois por abortos (1534 e 1535 EC) e um nado-morto (1536 EC). Henrique, mais uma vez, começou a culpar a sua esposa pela falta de um herdeiro masculino. A relação real deteriorou-se com a teimosa Ana insultando abertamente o rei na corte e sussurros no exterior que o rei inglês não se tinha casado mais alto que uma prostituta comum. O destino de Ana estava prestes a seguir um caminho semelhante ao da sua antecessora com o olhar de Henrique agora à procura da esposa número três, uma opção realista após a morte de Catarina em 1536 EC.

Remover publicidades

Advertisement

Julgamento e Execução

Quando o rei descobriu que Ana tinha tido um caso, ou talvez simplesmente porque a sua luxúria já estava a ser satisfeita por outra dama-de-companhia na corte, Jane Seymour, ele ordenou a prisão de Ana. A rainha estava confinada à Torre de Londres em 2 de maio de 1536  EC, nos mesmos aposentos em que tinha permanecido antes da sua coroação. O caso contra a rainha foi superado por Thomas Cromwell, muito provavelmente porque Ana não produziu um irmão saudável para acompanhar Elizabeth e o rei fartou-se da sua relação turbulenta. Cromwell foi ajudado na sua busca por provas falsas contra a rainha pela forte fação pró-Catarina ainda na corte, que não tinha esquecido o tratamento desgastado do seu campeão católico. Só para boa medida, Cromwell acrescentou uma carga de outras acusações, também. Estes incluíam incesto com o seu próprio irmão, Lord Rochford, casos com pelo menos quatro amantes, tentativa de homicídio por veneno do marido, e até bruxaria. Uma confissão e implicação de outros foram extraídas sob tortura do músico favorito de Ana, Mark Smeaton, mas a própria Ana negou todas as acusações, assim como todos os outros "amantes".

Anne Boleyn in the Tower of London
Anne Boleyn in the Tower of London
by Edouard Cibot (Public Domain)
A rainha aprisionada escreveu uma carta apaixonada ao seu rei na qual ela implorou para que não permitisse "aquela mancha indigna de um coração desleal para com a vossa boa Graça, alguma vez lançou uma mancha tão suja sobre mim, ou sobre a princesa bebé, a sua filha" (citada em Jones, 178). Apesar da alegação e das provas frágeis, Ana foi considerada culpada por um tribunal liderado pelo seu próprio tio, o Duque de Norfolk. O casamento de Ana com Henrique foi anulado a 17 de maio, e a rainha foi condenada à execução na Torre de Londres. Ana foi autorizada a responder à sua sentença e ela declarou o seguinte:

Acho que sabe bem a razão pela qual me condenou é ser diferente do que o levou a este julgamento. O meu único pecado contra o Rei foi o meu ciúme e falta de humildade. Mas estou preparada para morrer. O que mais lamento é que os homens que foram inocentes e leais ao rei devem perder as suas vidas por minha causa.

(Jones, 180)

A rainha ofereceu-se para se retirar a um convento se Henrique mostrasse misericórdia, mas não o fez, sendo a sua única concessão que a rainha deveria ser decapitada e não queimada na fogueira como as bruxas eram tradicionalmente. Ana recebeu um último pedido de ter um carrasco especializado vindo da França que decapitaria Ana com uma espada em vez do machado habitual, que às vezes poderia exigir alguns golpes para alcançar o seu terrível propósito. Em 19 de maio de 1536 EC, antes da queda da lâmina, diz-se que Anne proclamou:

O rei tem sido bom para mim. Ele elevou-me de uma simples criada para uma marquesa. Depois elevou-me para ser rainha. Agora vai elevar-me para ser um mártir.

(citado em Philips, 103)

O irmão de Ana e os seus amantes acusados também tinham sido executados, dois dias antes da rainha. A Princesa Elizabeth, tal como a sua meia-irmã Maria, filha de Catarina de Aragão, foi declarada ilegítima. Todos os vestígios de Ana, desde almofadas monogramas a retratos, foram removidos de todos os palácios reais. Em duas semanas, Henrique casou-se com a sua terceira esposa, Jane Seymour, e finalmente deu ao rei um filho, Eduardo, nascido a 12 de outubro de 1537 EC. A tão aguardada chegada de um herdeiro masculino desencadeou saudações de armas, toques de sino e banquetes por toda a Inglaterra. Tragicamente, Jane morreu pouco depois e o Henrique ia ter mais três esposas. Quando Henrique morreu de doença em 1547 EC, foi sucedido pelo seu jovem e ainda único filho Eduardo VI de Inglaterra (r. 1547-1553 EC) que, graças às guerras e à crise do primeiro casamento de Henrique, só herdou um reino empobrecido profundamente dividido sobre questões religiosas.

Remover publicidades

Publicidade

Sobre o Tradutor

Joana Ribeiro
Someone who likes Ancient History, particularly Greek/Roman mythology.

Sobre o Autor

Mark Cartwright
Mark is a history writer based in Italy. His special interests include pottery, architecture, world mythology and discovering the ideas that all civilizations share in common. He holds an MA in Political Philosophy and is the Publishing Director at AHE.